Gostava que me tivessem explicado que o silêncio diz coisas que eu não quero ouvir, que eu não sei como ouvir.

Gostava que me tivessem ensinado o que é ficar sozinha entre paredes que não me dizem o que devo fazer.

Gostava que me tivessem dito que afinal preciso de pessoas e que a pessoa que mais preciso sou eu.

Gostava de ter nascido com um livro de instruções. e os meus pais também teriam gostado.

Gostava de ter aprendido sobre a vida. mas aprendi que isso só é possível a cada dia, a cada consciência mais madura.

 

Sim.

E que damos sentido à palavra gratidão quando alguém nos lembra que precisamos uns dos outros.

Que só nos lembremos que precisamos de dar amor a nós e a quem amamos quando somos obrigados a fazê-lo.

Que só comunicamos quando chega uma ameaça exterior.

Que o amor só termina quando nos esquecemos dele.

 

Sim.

Colocava-mo-nos e colocávamos a família em segundo plano e ficavam palavras por dizer, agora temos medo que o tempo não chegue para dizer tudo aquilo que não dissemos durante este tempo todo.

 

Esperamos pela morte, por um evento trágico ou por um COVID-19 para percebermos mensagens importantes como “vamos todos ficar bem” ou “estamos todos juntos” ou “fiquem em casa e protejam-se”, para nos lembrarmos de palavras como união, compaixão, parceria, comunicação, respeito e amor, que já existiam do Mundo desde há milhares de anos.
E depois? Quando tudo passar? Voltará tudo à estaca zero? Espero que desta vez não. Espero que desta vez vejam que é sério. Que o Universo está decidido em fazer-nos ver que é preciso mais Amor, mais essência e mais conexão e respeito por nós e por quem amamos. Mais qualidade de tempo e gestão de prioridades.

 

Nós somos a nossa primeira prioridade. A nossa família é uma prioridade. Olhar e ver os nossos filhos é uma prioridade. Escutar e falar com quem nos é importante é uma prioridade. É urgente que percebamos isto de uma vez por todas. O tempo não espera. E o COVID não saberá disto.

 

A correria da rotina diária consome a energia que era suposto não terminar. E agora sem rotina, sem o mecanismo do que já sabemos fazer sem ver, vem a pausa. O silêncio. As estratégias para saber sobreviver fora da zona de conforto. Mas não seria zona de desconforto se já tivéssemos sabido de tudo isto antes de nos (re)ensinarem agora.

 

O “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” torna-se aliado do “não digas amanhã o que podes dizer hoje”, que por sua vez se tornam essenciais.

 

Chega o medo do que não é seguro. Chega o medo de todas as medidas de protecção não serem suficientes. Só que esse medo já existia antes disto tudo. Só despertou agora, porque o Mundo se fez ouvir. Então, que nos lembremos que confiar faz e fará sempre parte do caminho. Que a fé é e sempre será precisa.

 

Que a isto a que chamamos estado de emergência se torne uma emergência à auto-consciência de cada um de nós. Que se torne uma emergência para deixar que o ego fale menos e que a alma escute mais. Para nos deixarmos de desculpas e tretas. Queremos férias e tempo quando não o temos e agora que o temos queremos fugir dele. Que ser humano mais complicado!
Não há nada para complicar. É emergente que tenhamos consciência de que é preciso mais união e mais amor.

 

Que a isto a que chamamos prisão (que na verdade somos nós quem nos prende) se transforme na nossa maior Liberdade. Porque prisão era quando todos vestíamos a máscara do que é correto e certo aos olhos dos outros. E liberdade é agora quando percebemos que podemos ser nós próprios.

 

Porque prisão era quando nos tocávamos e não nos sentíamos. Quando falávamos e não nos ouvíamos. Quando estávamos juntos, mas cada vez mais distantes. E agora parece que quanto menos nos tocamos, mais chegamos perto um no outro. E que as saudades se transformam em esperança.

 

O lugar onde o COVID-19 não chega é ao Amor que tens no teu coração, se tomares esta consciência.

 

Como ouvi num vídeo do Hugo David Barbosa: Por mim. Por ti. Por todos. Vamos conseguir.

 

Com Amor,
Carina

2 Comentários

    • Maria candida

    Adorei sim tudo é como dizes minha querida Carina que entremos todos e consciência que se nos unirmos todos em demostrar amor antes que seja tarde tento dar o mais que posso beijo

    26 de Março, 2020
      • Carina Palma

      Um grande beijinho. Obrigada pelo apoio 🙂

      27 de Março, 2020

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Coloca o teu nome e o teu email para receberes o meu ebook grátis sobre autocuidado
Carina