e.qui.lí.bri.o  – do latim aequilibrĭu-, «idem»

Tem vários significados:

  1. (mecânica) estado de um corpo em que as forças sobre ele aplicadas contrabalançam mutuamente os seus efeitos;
  2. igualdade entre forças, quantidades,…;
  3. proporção harmoniosa entre as partes constituintes;
  4. bom senso; sensatez

Sinónimos: coerência, comedimento, concordância, equipendência, harmonia, igualdade, ponderação, sensatez, simetria.

Antónimos: desarmonia, desequilíbrio.


Desde que iniciei a minha jornada no Mundo do Yoga, algo mágico começou a acontecer. E vou contar-te como esta prática te pode (re)lembrar do poder que (já) tens.

[contudo não tens que imergir em todos os oito pilares que a prática de Yoga te oferece. para haver mudança basta teres um corpo, uma mente e um espírito de força de vontade em evoluir.]

As emoções são como uma bússola interna, que nos leva à homeostase, ou seja, ao equilíbrio de bem-estar.

L. Greenberg diz que as emoções são um fenómeno cerebral com base neuroquímica fisiológica e linguagem própria, sendo que as respostas dadas pelo sistema límbico¹ influenciam as nossas funções vitais, como reprodução, batimentos cardíacos, apetite, transformação da gordura, níveis de colesterol, níveis de energia, resistência física ou qualidade do sono.

As tuas emoções influenciam a forma como lidas contigo própria/o e com os outros. Influenciam na forma como pensas.

Quando te sentes “adormecida/o”, apática/o significa que te desligaste das tuas emoções e não te permitiste senti-las. E quando umas emoções desligam, automaticamente as outras também se desligam e por isso não te sentes feliz. Estás bloqueada/o.

E sabes que mais? As emoções não vêm do exterior! O que é bom para quem procura e acredita que a felicidade está lá fora e não a encontra. A felicidade pode ser produzida pelo próprio organismo e está, portanto, dentro de cada um de nós.


Então, se está em cada um de nós, quer dizer que tu és a chave para a Felicidade. Se és a chave, és o portal. Então vamos em frente.

[parece fácil não é? então porque é que há pessoas que não são felizes?! mais à frente vais perceber. mas garanto-te: se não sofres de uma doença psiquiátrica grave, então estás 100% apta/o para encontrares o teu equilíbrio emocional, que vem então de mãos dadas com a Felicidade.]

Há momentos na vida em que parece que tudo está a desmoronar-se, mas lá no fundo tu consegues encontrar uma pequena força que te ergue, seja de que forma for (repara mais nos pequeninos passos e vitórias!). Essa pequena força torna-se uma força gigante quando tens consciência do teu poder pessoal.  Quando te sentes presa/o e pensas que não tens saída, a verdade é que tens. E a chave está algures dentro de ti. Sempre esteve. Só tens de procurá-la.

Parece um cliché falar sobre este tema. E parece fácil dizer. Mas nem tudo é linear. Somos todos diferentes e temos mapas do Mundo diferentes. Mas sabes de uma coisa? Não te peço para acreditares em mim! Não acredites!  São as minhas experiências. Mas posso garantir-te que mudou a minha vida e a de muita gente.  Eu já fui a pessoa mais negativa e ansiosa do Mundo e hoje estou aqui a escrever-te sobre como encontrar o equilíbrio emocional. Portanto, comigo toda esta informação (em ação!) resultou. Então abre-te a sentir, a experimentar, a ler. Experimenta por ti mesma/o e tira as tuas próprias conclusões. Cada pessoa experiencia a mesma situação de maneira diferente. Por isso é que há muita gente a viver desafios idênticos, mas uns ficam presos a eles e outros não.  


Quando estás presa/o, quando és amarrada/o a uma cadeira e não te deixam sair ou quando és violada/o, não tens muitas opções de saída, pois estás a ser fisicamente agredida/o ou explorada/o. Mas quando tens pensamentos negativos, ou estás presa/o a uma situação que te preocupa, mete medo ou não te deixa dormir, estás a ser emocionalmente agredida/o ou explorada/o, só que desta vez pelas tuas próprias mãos. Não há uma terceira pessoa. Por exemplo, sofrer de maus tratos físicos é doloroso. É. Mas um dia termina, e se saíres viva/o disso, tens a opção te seguir em frente e aí já depende de ti. Da tua força de vontade, do teu pensamento, do teu mindset. Caso contrário, sofrerás de auto-maus-tratos emocionais. E quando te escrevo isto, sei realmente do que falo.

O caos faz-te crescer. Se não tivesses passado por desafios nenhuns na vida, como conseguirias ultrapassar certos desafios que mais tarde ou mais cedo vão surgir de novo? Os problemas na vida transformam-te. Abrem-te à mudança. No momento é uma grande treta, é, mas como se costuma dizer, “depois da tempestade, vem a bonança”.


Vamos ao que interessa:

Como conquistar o Equilíbrio Emocional

  1. Sai da tua mente, muda o mindset, regressa à origem

Sabes qual é o teu maior inimigo? A tua mente! Ela tem o maior dos poderes do Universo.

Tu não és a tua mente.

Tu não és os pensamentos que vêem da tua mente. É uma parte de ti, mas não és tu.

Tu não és a voz da tua mente, tu és quem ouve a tua voz e escolhes o que fazer com ela.

Se queres fazer uma flor crescer, não deves focar-te na flor, deves focar-te no solo à volta onde a vais plantar.

Quando a tua mente te dá informações (sejam elas quais forem), deves parar e respirar, refletir sobre o que  ela te está a dizer. Questionar-te se é mesmo isso que sentes. Depois agradece pela informação “Obrigada pela partilha, mas eu escolho….”. Tu podes escolher. És tu quem manda nela, não ela que manda em ti. E a maior parte dos problemas vem daí. Deixas que a tua mente se apodere das tuas fragilidades emocionais.

O primeiro elemento da mudança é a consciência que tu não és a tua mente. O segundo elemento da mudança é perceber que tu não és a tua mente.

A mente é apenas a tua base de informação. Ela dá-te informações e coordenadas. Mas cada um tem informações diferentes e atribui significados diferentes à informação que recebe, processando e interpretando de forma diferente. Por isso é que às vezes descordamos. Tem a ver com diferentes pontos de vista. O nascer do sol é o mesmo para todos, mas cada um o vê e sente de forma diferente. A nossa informação determina a nossa vida.

A realidade é pessoal. Mesmo nascer do sol, mente diferente, diferente percepção do nascer do sol. Não há uma realidade única. Cada um tem uma realidade particular dentro de si.

E de onde conseguimos a informação que recebemos?

De todas as pessoas à nossa volta. Desde que nascemos. Mas é a informação que recebes verdadeira? Sim, para cada um. Mas é o teu caminho? Não. É o caminho (tu nasces vazia/o). É o caminho certo ou errado? Não. é apenas o caminho. É a informação que cada um percebe que é verdadeira.

A principal informação que recebemos é na infancia até aos 3 anos pelos pais. Depois recebemos até à fase adulta pelos outros.

A informação que está na tua mente não é quem tu és, é quem tu aprendes-te a ser! E quando aprendes a separar isso, a escolha de ouvir a informação que a tua mente te traz é tua. Quando tu só ouves a tua mente, a voz da tua mente, só estás a recordar a voz da informação dos outros que já recebeste.

O único problema que não está a deixar que tu tenhas equilíbrio emocional e vivas a vida dos teus sonhos é: TU. A tua mente! Lembra-te que podes recomeçar de novo. Refrescar. Resert. Colocar informação nova na tua mente. É o mesmo quando vais fazer uma revisão da matéria e escolhes ficar com o que te faz mais sentido.

A tua mente é um mecanismo de sobrevivência, de proteção e vive do medo que alguma coisa de mal te aconteça. É o mecanismo primário. Ela não quer que tenhas sucesso, ela ensina-te a sobreviver. Ela até tem boas intenções, mas se só a ouves, vais dar em louca/o. Ela protege-te dos agressores e faz-te ter medo de avançar, de arriscar. E tu ficas presa/o a ela. A tua mente é baseada em medos e preocupações vindos deste mecanismo de proteção. E toda a ansiedade vem do medo. Toda a confusão vem do medo.

Percebe que tu és o capitão do navio. Tu decides para onde ir. Só que nem toda a gente está aberta a perceber isto e por isso é que nem toda a gente encontra o equilíbrio.

Tu nunca serás totalmente livre. Porque o teu centro é baseado em problemas e a tua mente acredita nisso e depois tu acreditas nisso. Então, se mudares o chip que te foi posto aos poucos quando nasceste (sim porque nasceste sem ele), mudaste a ti também.

Uma boa notícia: Tu podes treinar a tua mente para fazer o que tu queres que ela faça. Tu atrais aquilo que pensas e vives. Mais uma vez: “Mente obrigada por partilhares comigo, mas eu escolho….” – o próximo passo é escolheres de forma consciente o que escolhes fazer com o que a tua mente te diz. Inserir um novo pensamento positivo).

A tua mente pode ser a tua melhor ou pior amiga. Depende se estás disposta/o a enfrentá-la e reprogramá-la.

Treina a tua mente ou então ela treina-te a ti! E formata-te em quem tu não és. E tu és a tua raiz, a fonte de onde tudo começou. E sabes que mais? Há sempre forma de recuperar um jardim. Podes tirar as flores velhas e murchas e plantar de novo umas novas, no mesmo solo em que um dia já plantaste. Cabe-te a ti escolher a forma como vais agora nutrir o solo para que um novo jardim floresça saudável. 

  1. Tem consciência do que estás a sentir e tem consciência de ti

Não acredites na tua mente. Não acredites na voz que ouves. Não acredites nos pensamentos que pensas. Isto é a consciência –  viver na escolha do momento presente em vez de viver na programação e habitos do passado.

Tu conscientemente monitorizas os teus pensamentos. Permite-te isso. És capaz. És habilitado para isto. Não é preciso andar na escola para aprender a fazer isto.

Existem três coisas que deves ter consciência:

1 – Tu tens a habilidade de controlar a tua mente.

2 – Tu tens a habilidade de remover qualquer pensamento.

3 – Tu tens a habilidade de intalar qualquer pensamento na tua mente.

O teu maior poder é a tua habilidade de escolher os teus próprios pensamentos!

Começa por conscientemente observar a tua mente. Sem julgamento. Agradece, respira, mas tira as tuas próprias conclusões. Faz uma reflexão antes de reagir, para agir com consciência e verdade.

Quando estás zangada/o, irritada/o, com inveja, seja que sentimento ou emoção for, abre-te a sentir. Sentir que efeitos têm no teu corpo e que informações a tua mente te envia. Eu sei que no início é difícil… Então, fecha os olhos, inspira profundamente (podes colocar uma música calma) e antes de disparar com os filtros que te formataram, toma consciência de quem realmente és. Lembra-te do bebé que já foste e que viu o Mundo de forma inocente e sem julgamentos. Volta à tua criança interior que está à espera de ser acordada. 

  1. Abre-te à transformação

Os grandes problemas tornam-se pequenos problemas quando tu te tornas grande (porque és maior do que eles).

Não há nada que te impeça de seres imparável a não ser a tua escolha. Então escolhe a transformação em vez de formatação.

A tua vida torna-se diferente quando tu te tornas diferente. A tua vida torna-se equilibrada, quando tu te tornas emocionalmente equilibrado.

Se quiseres mudar as frutas, primeiro precisarás de mudar as raízes. Se desejas alterar o visível, primeiro deverás alterar o invisível.

T. Harv Eke

4. Pequenos passos um dia tornam-se grandes passos

Não desistas. Mesmo quando pensas que não está a resultar, garanto-te que está. Creio que não aprendeste a andar sem cair num só dia, certo? O nosso cérebro precisa de pelo menos 21 dias para instalar um novo hábito, por isso não queiras ver resultados a olho nu logo no primeiro dia. MAS, todos os dias consquistas algo novo. E convido-te a reparar nisso. Todas as noites faz uma espécie de check list do teu dia e verás que sim, aconteceram pequeninas coisas mágicas.

Sugestões:

– Acorda pelo menos 1h antes da hora habitual do despertador (para que não inicies o teu dia numa correria e que possas tirar um momento para colocar uma música e refletir, colocar uma intenção positiva e um objetivo para o dia, ou até mesmo para fazeres uma prática física para alongar o corpo. Assim alongas o corpo e a mente);

– Toma o pequeno-almoço sem as distrações do telemóvel ou das notícias (que quase sempre são negativas – ou melhor não são, depende da percepção que tens delas). Conecta-te ao que estás a comer e a como te estás a sentir enquanto comes;

– Faz pausas ao longo do dia para te conectares contigo. Não fujas de ti. Percebe como te estás a sentir ao longo do dia. Dá um passeio por um jardim, faz uma massagem relaxante, qualquer coisa que te faça relaxar e dê prazer;

– Faz uma reciclagem emocional. Percebe de onde vêm as tuas emoções. Recicla aquelas que não te fazem feliz. Ou seja, transforma um pensamento negativo num positivo.

– Diz não ao que não te faz feliz. Diz não ao que te magoa. Diz não a situações e pessoas que são tóxicas para ti.

– Vive o momento presente. Quando fazes um plano da tua semana e tens tudo organizado, não precisas de pensar no que vais fazer a seguir. Foca-te em cada minuto do agora e deixa fluir o tempo. (e quando algo não acontece como esperavas, já vais estar emocionalmente preparada/o para agir de forma consciente e arranjar um plano B);

– Agradece. Faz o ritual da gratidão. Agradece todas as manhãs por mais um dia, por mais um bónus que a vida te trouxe. Escreve num diário todas as noites sobre tudo o que agradeces no dia, e verás que ao longo do teu dia surgiram situações que te fizeram crescer.

– E não te esqueças de respirar! Esta é a parte mais importante. Muitas pessoas se esquecem de respirar. Pára. 5 minutos do teu dia. Fecha os olhos e inspira e expira profundamente pelo nariz.

Então é simples: equilíbrio emocional é quando encontras em ti o verdadeiro ser que és. É quando tens consciência que não és quem te fizeram acreditar que és. És algo que está ainda perdido à espera de ser resgatado.  É quando encontras a estabilidade. É quando tens consciência do significado do que estás de verdade a sentir.  E não tens que estar 100% feliz nem de bem com a vida, mas tens a maturidade para parar e saber que quando te surge um problema, podes gritar, mas não deixas que isso te afete, acolhes a emoção mas não te apegas a ela. És capaz de receber as informações de proteçaõ da tua mente, mas páras, agardeces e mudas a direção.

Preparada/o para o equilíbrio?

Com Amor,

Carina

¹ O sistema límbico situa-se na região medial do nosso cérebro. É a unidade responsável pelas emoções e comportamentos sociais. É constituído por neurónios, células que formam uma massa cinzenta que se chama lobo límbico.

4 Comentários

    • Leonor Cavaco

    Lido💚💛agradeço imenso do fundo do meu coração por te conhecer, e mais ainda por isto ser um meio que liga-nos ao todo 🙏 namaste

    10 de Dezembro, 2019
      • Carina Palma

      Grata! Estamos conectadas minha linda! Um grande beijinho cheio de Amor

      10 de Dezembro, 2019
    • Ricardo

    Excelente conteúdo e compilação cronológica! Directo, claro, conciso e leve apesar de rico em informação e conhecimento (um pode ou não ser o outro é para um). Obrigado pela partilha e parabéns!

    10 de Dezembro, 2019
      • Carina Palma

      Muito muito Grata pelo feedback Ricardo! 🙂

      10 de Dezembro, 2019

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Coloca o teu nome e o teu email para receberes o meu ebook grátis "Best of Robin Sharma"
Carina